As Crônicas de Nárnia: O Sobrinho do Mago.




Olá coisas fofas, como vocês estão? aqui o Mesmero! E como eu tinhas resistentemente lido o livro (O sobrinho do mago ) eu achei que seria legal interromper um pouco a minha viagem literária entre o universo de crepúsculo, para demonstrar outros mundo aqui no blog até mesmo por que os pontos positivos e negativos estão em todos os lugares. e não em uma só obra.

Os livros das cronicas de Nárnia começam com o sobrinho do mago, claro por ordem cronológica pois por ordem de criação não foi bem assim, o livro foi primeiramente criado por "o leão a feiticeira e o guarda roupa" de fato a história que teve mais sucesso, mas eu ainda gosto muito do "sobrinho do mago" o volume que conta como as coisas de surgiram e como Nárnia foi criada. E as primeira idas e vindas a esse mundo maravilhosa Nárnia. A história começa com o dialogo de Digory e Polly.

No começo da historia, C.S.Lewis sabe perfeitamente colocar a narrativa leve e envolvente, e como se tudo de certa forma belo e ele capta-se semente a beleza nas coisas e isso e uma coisa muito legal de se ler, claro não chega a ser uma utopia, mas e um "mundo real" ou mais favorável, vamos dizer assim.

o livro tem essa leitura leve e envolvente como algumas outras obras, por que e um livro criado para criancinhas, contos de fadas criados para crianças dormires, uma coisa muito valida, já que a época em que C.S.Lewis viveu era uma época complicada e cheia de injustiças, não muito longe dos dias de hoje, mas naquela época existia mais respeito, coisa que vamos ser sinceros hoje em dia não existe tanto.

Mesmo sendo um livro que tem muito daquela magia dos contos de fada também tem muito da vida real, dificuldades humanas dores e alegrias que faz com que o livro se torne magico e nos trasporte com muito facilidade o leitor para o mundo de Nárnia, e conseguintemente fazendo com que os contos de fadas realmente exista, em um mundo doente como o nosso.

Posso dizer com toda a certeza que essa e uma da obras preferidas da minha vida, Nárnia foi trazida para mim como um refugio sombrio no começo, mas iluminado com o passar dos tempos, mesmo a minha vida sendo diferente da vida que o os jovens de hoje, venho muito feliz e orgulhoso da minha parte dizer que eu conseguir viver em Nárnia enquanto lia e viver na vida humana (O planeta Terra) por que eu fui uma criança que brincava na rua, me divertia e senti muito disso em Nàrnia, e principalmente quando li o sobrinho do mago, isso fez com que eu me ver um pouco nostálgico em relação a minha infância, por mais que eu quisesse que ser forte e mas adulto, no fundo eu não queria, "Acho que ninguém quer" e posso dizer que esta obra meche muito comigo nesse sentido de saudade da minha infância. Quando tudo era fácil, e divertido, e mesmo que errássemos, simplesmente levantamos e voltávamos a correr. E uma livro que me pegou em cheio e a cada pagina lida podia ser uma historia previsível, mas eu lia somente para ver se era realmente o que eu pensei e posso dizer que nem sempre era. E essa e uma das magias de o sobrinho do mago. o que parece ser previsível não era.

Digory estava triste e nada melhor que uma nova criança em um bairro de adultos, foi quando Polly, e vê Digory chorando, no começo ela zomba da sua cara que estava cheia de sujeira e que tinha visto ele chorando em meio ao barro do quintal, e quando Digory rebate a questão e fala que Polly também choraria se a mãe dela estive-se muito doente. E dai que nasce uma grande amizade. Digory mudou-se para aquele bairro para viver com seus tios e sua mãe que estava em fase terminal de uma doença desconhecida.

O mago do titulo nada mais e do que o tio de Digory que sempre foi muito suspeito ao meu ponto de visita, e sua tia que sempre fazia de tudo para que as crianças fica-se longe do tio e suas invenções e coisas estranhas que ele sempre mexia. Uma das coisas que eu posso dizer que fiquei muito espantado foi que o Tio de Digory e muito curioso, quase tão curioso quanto uma criança, mas ele não e só curioso ele e um pouco fanático por aquilo que ele descobre, e nessa história dele ser muito curioso e as crianças também serem muito curiosas, o tio meio que plantou uma armadilha para as crianças, foi então que Digory e Polly encontrar um porão e caminhando entre ele descobriram que o escritório do Tio ficava naquele porão e o tio que "não e bobo" colocou em uma mesinha perto da lareira, uma caixa cheia de anéis verdes e amarelos, anéis que o tio dizia serem mágicos e capazes de trasportar qualquer ser que os usa sem para outras dimensão. e Polly sendo curiosa e não sabendo do poder oculto nos anéis ela e colocar o anel no dedo e quando Digory vê a amiga desaparecer diante de seus olhos.

E quando o tio chega e fica feliz em ver que sua armadilha tinha dado certo e encorajou Digory a ir resgatar sua amiga já que ele mesmo não tinha tido coragem de colocar os anéis e ir para o mundo estranho, que ele nem sabia o que existia lá ou se la existia de fato. A jovem criança sendo corajoso e com medo ao mesmo tempo. Não podia deixar que nada acontecer com sua unica amiga naquele bairro, ele pega dois pares de cada anéis e vai para o mundo que ele nem seu quer sabe se existe. E levado para um lugar cheio de lagos e uma floresta gigantesca, onde bate sol abundante e sombra das arvores são calmas e refrescantes, mas que ninguém vivia lá.

E quando Digory e Polly se encontram as coisas ficam mas calmas, mas eles dois tentam se divertir um pouco e acabam entrando em uma possa de água que leva eles para um reino envelhecido e cheio de estatuas, onde o sol e envelhecido. e a natureza tomava de conta de todo o resto. E nem um ser vivo estava presente, tirando o fato dos viajantes (Digory e Polly)


E quando o autor nos mostra o quanto a curiosidade humana e terrível.

" Ousado aventureiro, decida de uma vez:

faça o sino vibrar e aguarde o perigo

ou acabe louco de tanto pensar :

se eu tivesse tocado, o que teria acontecido"


Bem o que deu isso eu não vou contar porque isso e uma das partes magicas, do livro. então né! só lendo para saber;


Uma das parte mais linda que tem nessa crônica e exatamente a criação de Nárnia uma das partes mais lindas e posso dizer com muita certeza que Nárnia foi criada de uma forma maravilhosa e encantadora.


O livro durou apenas um dia em minhas mãos ou melhor em questão de horas, eu tinha acabado o sobrinho do mago, me diverti, sorrir, fiquei triste, duvidoso, e no fim orgulhos por ter terminado, mas triste porque tinha acabado.

Achei um truque de mestre o final do livro, um final envolvente e que deixou um grande gancho para todas as outras histórias. Claro aquele gancho que não parece gancho, uma coisa simplesmente fantastica de se ler, e que vemos que sim pode sim acontecer.



Bem, é isso galera desculpa pela a demora da postagem. ^^ Como sou uma pessoa justa vou postar uma frase minha para vocês, como desculpas :

" A lótus é uma grande passagem deste para outros mundos

- Mesmero H.L. Anjens "





Destaques

Posts Recentes

Arquivos

Tags

Siga a gente

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon