Resenha | As Aventuras de Merlin | 1ª Temporada | Episódio 001 | O chamado do dragão


Oi, oi, gente! Voltando com mais uma resenha de episódio, espero que gostem muito dessa série. Os efeitos são bugadinhos, mas com certeza compensa pela qualidade de história e pelos personagens.


A série começa quando Merlin vai para Camelot trabalhar para Gaius, médico da corte, por ordem de sua mãe que pretendi protegê-lo de pessoas que não tolerariam suas habilidades mágicas, que apesar de intuitivas não eram controladas.

Lembrando que o uso de magia é algo completamente proibido. Principalmente na capital de Camelot que ficava bem às vistas do Rei.


Merlin é um bebê fofo que seria facilmente um nerd nos dias de hoje. E quando ia começar a série, jurava que seria aquele velhinho dos desenhos. Mas, com certeza, não é, mesmo que ele use isso em algum momento da série adiante.


É bem claro que o pequeno Mago, ainda nem tem conhecimento de encantamentos ou dos seus poderes em sua totalidade. Ele é corajoso beirando a tolice ao desafiar Arthur, o futuro Rei, sem saber desse fato antes do ocorrido. Logo ele vai para a masmorra por desrespeita-lo.


Ele é solto graças a Gaius, mas enfim, é depois disso que conhecemos Guinevere. Uma serva do castelo que trabalhava para Morgana, uma filha de herói de guerra acolhida como filha pelo rei de Camelot.

Quanto ao Arthur da série, ele é muito lindo (só não supera a Morgana) e parece o Fred do filme do Scooby- doo, e é um idiota. Acho que só é suportável por ainda ter um pouco de integridade e ser bem shippável com o Merlin.


Morgana não é muito comentada nesse episódio, mas percebemos que é uma das poucas que não parece ser banhada na arrogância da família real. Além de usar sempre vestidos maravilhosos.


O rei... não gosto nem um pouco de ele. No começo do episódio, quando Merlin chega em Camelot, está havendo uma execução de um homem acusado de usar magia. E ele faz um discurso de comemoração pelo banimento da magia em seu reino e pela captura de um dragão em seu castelo. O que já é bem sem noção. Se a magia está banida, porque guarda um dragão debaixo do seu próprio teto?


É cavar a própria cova.


O chamado do dragão... Merlin sendo atraído pela voz que o chamava e a segue até uma parte desconhecida da masmorra. Conhecendo o dragão que afirma que os poderes de Merlin faz parte de uma profecia que estivesse destinado: proteger Arthur, pelo bem do futuro da magia.

E achei bem feito quando a mãe ao ver a morte injusta de seu filho ameaça o rei e sai que nem fumaça. O tenso foi o rei simplesmente fazer uma festa, mesmo a mulher claramente em busca de vingança e ter poder para isso. E como ela quase o faz, não foi o que eu esperava, mas foi bem esperto, e deixou bem claro a ingenuidade e falta de esperteza do rei.


Olho por olho, dente por dente, filho por um filho... Arthur quase morre e é Merlin que o salva e é recompensado por isso, tornado-se seu servo (o que não é bem uma recompensa).


Mesmo que o primeiro episódio seja até mesmo leve e descontraído comparado o que ainda vai acontecer. Ainda é viciante. A aura leve quando Gwen e Merlin sempre tem quando estão juntos acho muito fofa, mesmo que é desnecessário a ideia de um romance.


E os olhos que ficam dourado quando usa os poderes é bem interessante. Os olhos são as janelas da alma, não é?




"O poder quando se apodera da alma é o mesmo que ser consumido pelas suas mais sombrias ambições."

R.W.


Leia também...









Destaques

Posts Recentes

Arquivos

Tags

Siga a gente

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon