Resenha|.| Mamãe e o sentido da vida.


Ano: 2008

Páginas: 248 Idioma: português Editora: Agir


Sinopse:Autor de diversos best-sellers — entre eles Quando Nietzsche chorou e O carrasco do amor — e psiquiatra há mais de trinta anos, Irvin D. Yalom possui indiscutível habilidade em contar boas histórias. Mamãe e o sentido da vida é uma reunião de seis narrativas inspiradas em situações e casos clínicos vividos ou criados pelo autor, numa mescla de não-ficção e ficção. Em seu livro mais autobiográfico, a própria mãe lhe aparece em sonho num parque de diversões para um acerto de contas com o passado. As demais histórias trazem relatos sobre as dificuldades de enfrentar um câncer terminal, a depressão do luto, alucinações, psicoses e outras enfermidades do corpo e da alma, e colocam em foco a relação paciente-terapeuta, com seus envolvimentos, desentendimentos e fantasias. Todas as narrativas giram em torno de questões fundamentais da psicoterapia e da vida: traumas de infância, o relacionamento com os pais, a perda de um parente próximo, a solidão dos dias atuais e o medo da morte. No entanto, a empatia imediata entre leitores e personagens não se deve apenas à universalidade dos temas, mas à maneira como se superam graves problemas. Encarando o próprio sofrimento e o dos outros, Yalom transforma o cotidiano da prática analítica de frio registro clínico em lição de vida.


Esse é um dos livros que mais tem um fundo de pensamento profundo que existe fiquei simplesmente besta do quanto as terapias de Irvin D . Yalom são simplesmente bastante reflexivas e mesmo não estando fisicamente presente, o livro mesmo assim te puxa para personagens profundos e com grandes reflexões. No começo da narrativa o autor conta uma espécie de auto biografia das conversas e do relacionamento com a mãe dele, que ele sutilmente diz: "Que mesmo sem saber ler e escrever a mãe sempre se envolvia nas vitorias do autor mesmo sendo para dar opinião para as capas coloridas dos seus livros. e isso e muito lindo. Pelo menos da forma romantizada que o autor narra. "


Logo em seguida vemos uma grande quantidade de personagens que trazem suas opiniões para frente, ou seja tem o momento de fala e reflexão, pois mesmo o autor ainda contando como algumas terapias podem ser complicadas, principalmente as em grupos, mostra o quanto faz bem para o espirito, mesmo com um diagnostico de morte, o quanto faz bem para o espirito e para dar forças essas práticas. Uma das coisas que eu mais gostei no livro foi a profundidade, existem tantas reflexões em relação a morte. Em um momento especifico um dos personagem dizem que a melhor morte seria a morte súbita. E o autor confronta esse sentimento falando que a morte súbita mesmo que venha através de um bom leito, (Morrer dormindo) é uma aventura que você não vai conseguir presenciar, pois estará dormindo e será como perder uma grande aventura, ou quem sabe a maior aventura de sua vida. Achei aquilo muito lindo pois mesmo que tivermos uma vida boa com muito reconhecimento as fábulas e parábolas da morte traz curiosidade pois mostra o quanto somos inexperientes e nem um pouco preparados para esse grande evento.


Em todo o livro vemos testemunhos de formas únicas que acabam deixando o livro muito interessante. O livro traz tantas citações de outras obras fantásticas, que eu fiquei simplesmente boquiaberto e posso dizer que a minha lista de novos autores só cresceu, e um livro que chega a ser profundo com com uma leveza que encanta, e como estar boiando em um rio tranquilo sem perigos e distrações, até ser sugado por um redemoinho a onde não podemos fazer absolutamente nada. O que de uma forma simples representa a morte, mas acima de tudo os sentimentos impostos as almas antes de se desprenderam de seus corpos.


Posso dizer que minha paixão pela a psicoanálise e a psicologia só aumentou muito o que faz deste livro um dos muito que amei, pois fala de uma profissão que realmente muda vidas, tanto das pessoas quanto do próprio espirito.


Você se apega tanto ao livro, as páginas e aos personagens que quando o fim chegar para alguns você não consegue acreditar, e como se o livro fosse pequeno demais para muitas pessoas. Outras coisas que me trouxe reflexão e o quanto eu posso tratar mal algumas pessoas ao meu redor, mais que no fundo eu amo elas e mesmo com um resfriado quero que fiquem bem e que fiquem perto de mim. Porque eu as amo. Pois como o autor diz: As memórias não são o suficiente.

Quero muito que se envolvam nessa fantástica obra, ela vai consumir algumas horas como consumiu da minha, mas acredite quando terminar você vai dizer a onde esta esse livro! E o por quê de você não ter lido ele antes. Estou mais uma vez apaixonado pela a escrita do Irvin D. Yalom. Boa leitura.

"-- Temos que ter a morte, ou seja o fim, para darmos valor na vida e no inicio de tudo, e termos força para seguirmos até o dia em que não seremos capazes seguir.

-- Mesmero H.L. Anjens."

Destaques

Posts Recentes

Arquivos

Tags

Siga a gente

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon