Precisamos soltar o fôlego

Quando era pequeno, estive no meio de pessoas tão diferentes, que posso hoje me orgulhar de disser que elas me ensinaram o quanto o ser humano e único, e além de ser únicos eles sabem muito bem julgar quem e diferente deles.


Queria de todas as maneiras olhar para tudo o que eu vivi e dizer que foi por medo de seguir em frente ou medo de algo que poderia acontecer, tentei compreender puxar o ar o máximo que eu conseguia e depois dizer que compreendia o medo deles. Mas não, isso nunca aconteceu, algumas coisas eram compreensíveis de entender medo de ser assaltado, ou até morto. mas quando vejo uma pessoa se preconceituosa, homofóbico e um monte de outras horrorídade que cercam a humanidade. Meu ar se esvai, sabe o quanto e ruim ser espancado, xingado, morto ou ate mesmo o centros da atração do circo dos horrores. não sabem ?

Posso vir aqui milhares de vezes e falar o quanto o planeta esta doente, ou até mesmo que ele esta morrendo, mas nada vai mudar sabe porque? porque não e diretamente com agente. Então o que acontece com as pessoas ao nosso redor e algo que não importa para nos. pois não estamos na pele daquela pessoa em questão.


Quando estava estudando as religiões do mundo, me deparei com coisas de culturas ricas e que verdadeiramente amão o próximo, e no budismo eu encontrei um texto de buda que diz seguinte:


Existe quatro tipos de seres humanos e eles são como quatro especies de cavalos:


O primeiro cavalo e aquele que antes de seu montador estender o chicote para que ele se mova, antes de inconstar em seus pelos ele anda, esse cavalo e comparamos com pessoas que não conhecemos e nem temos nem uma intimidade. e quando ela morre, sentimos e as vezes falamos que triste isso foi uma tragedia.

O segundo cavalo e aquele que sente o chicote encostar na carne fazendo assim com que a carne sangre. comparamos ele com pessoas que sentem quando um primo distante falece e sente o luto verdadeiro e faz daquela dor ser transformada em força.

O terceiro cavalo e aquele que sente sua carne ser rasgada fazendo assim com que seus músculos fique amostra. Esse e quando nossos tios, avos, parentes que convivemos no dia a dia, falece e sentimos a dor como algo dentro, como se um pedaço de nos mesmos estive-se quebrado.

E o quarto e ultimo cavalo e aquele cavalo que tem que sentir o chicote inconstar no osso, esse e comparado com nos mesmo, quando recebemos um diagnostico de alguma doença e que temos pouco tempo de vida. E quando vemos o quento o mundo e belo e que poderíamos ter feito mais pelo os que estão ao nosso redor.


Posso dizer que fiquei um pouco paralisado com esse aprendizado, pois ele mostra um pouco da realidade e o quando o ser humano e o único animal que maltrata sua própria especia, sem um motivo.


Nunca gostei do rotulo que meus pais empunharam a mim, seja normal, odeio essa palavra, se todos nos focemos normais seriamos todos iguais, e isso seria além de muito chato, muito triste ver o que já víamos em nos mesmos, o mundo seria mais cinza.


Quando eu era pequeno um dos meus sonhos era ser desenhista, e ver as cores como em uma obra única, pois sem elas o mundo seria, outra coisa menos mundo.


Mas voltando ao fato do ar esta prezo e algo que me deixa meio angustiado, isso nada mais e do que uma mensagem que posso dizer de uma forma horrível, como subliminar. E como prender o ar, ser quem nós não somos, e como tentar não sentir dor com uma faca preza em nosso peito e como tentar respirar com o ar prezo.


Espero que renhão intendido, beijos. e ate o próximo post.


"...Isso nada mais é do que uma mensagem que posso dizer de uma forma horrível, como subliminar. E como prender o ar, ser quem nós não somos, e como tentar não sentir dor com uma faca preza em nosso peito e como tentar respirar com o ar prezo...

-- Mesmero H.L. Anjens "





Destaques

Posts Recentes

Arquivos

Tags

Siga a gente

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon